segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A Sereia do Mississipi (Mississippi Mermaid) - 1969


Depois de um namoro por correspondência, Louis Mahé, dono de uma fazenda e de uma fábrica de tabaco na Ilha da Reunião, África, se casa com Julie Roussel, mesmo ela não parecendo com a foto que lhe mandou antes. Ele não sabe, mas Julie está envolvida num caso de uma mulher que foi assassinada, no passado, em circunstâncias misteriosas. Esse fato e o amor de ambos mudará a vida de Louis completamente, fazendo-o se aproximar cada vez mais da ruína e da morte.

TÍTULO ORIGINAL: La sirène du Mississippi
ANO DE PRODUÇÃO: 1969
TIPO DE FILMAGEM: Eastmancolor ®
ELENCO :Jean-Paul Belmondo, Catherine Deneuve, Nelly Borgeaud
DIREÇÃO: François Truffaut
ROTEIRO: Cornell Woolrich

GALERIA DE FOTOS (+18)


TRAILER DO FILME em 360p

Crítica do Filme por Cainã Moura

"Deslumbrante! Uma saudação romântica ao amor"
- LOS ANGELES TIMES-

É como diz o trailer: Belmondo, Catherine, Truffaut. Tem combinação mais perfeita? Uma igual a essa, só a combinação da Catherine com o Buñuel!
Mais um filme francês que mistura a arte, "loucura" e erotismo, e agora eu pergunto a vocês: qual é o filme francês que não tem esses requisitos? São quase uma característica "clichê" para filmes franceses. Deneuve, que é muito conhecida pelo filme "A Bela da Tarde" dirigido por Luis Buñuel, é conhecida também por sua extrema sensualidade, que claro, Truffaut soube explorar muito bem este requisito, como vemos nas duas últimas imagens acima.
Novamente, Truffaut homenageia Alfred Hitchcock nas cenas do filme, como a trilha sonora repetitiva, causando desconforto e pânico, a cena do detetive caindo da escada (alusão a cena também muito parecida do filme "Psicose") e também ao suspense e outras técnicas bem parecidas com a do diretor inglês. Não sei se por coincidência, mas o mesmo escritor do livro que deu origem ao filme, também escreveu "Janela Indiscreta", de Hitchcock. Tem gente que até diz que é o filme mais Hitchcockiano de Truffaut.
A técnica de filmagem é incrível, cheio de externas lindas, bem filmadas, e cenas aéreas ótimas, além de planos de filmegens e edições que igualavam de certa forma, a maneira de filmagem dos filmes de Alfred.
Deneuve e Belmondo são daqueles personagens em que não sabemos se sentimos pena, ou raiva. Julie (Deneuve) é uma mulher mentirosa, dissimulada e que é capaz de fazer tudo por dinheiro, e podemos perceber isto em várias cenas iniciais do filme. Mas ao mesmo tempo, percebemos que ela amava Louis (Belmondo), mas sempre se irritava, brigava ou destratava Louis pela falta de dinheiro. Louis é um homem, se podemos dizer, idiota. Quem assiste não sabe ao certo, se podemos torcer para que ele se dê bem ou mal no final da história. Realmente, quem conhece uma mulher por classificados de jornal, casa-se e em pouco tempo cria um conta conjunta recheada com mais de 26 milhões, o que ele queria? Por amor, ele fica totalmente a mercê dos comandos de Julie, seja lá o que ela fizer, ele acaba encobrindo, aceitando e a perdoando. Seja por ela ter roubado 26 milhões da sua conta bancária ou ter tentado envenena-lo, não importa, ele é totalmente perdido por ela e faz todas as suas vontades.
Na realidade, muitas pessoas não conseguem entender o final do filme, não tem capacidade de enteder o desfecho e acabam dizendo que o filme é ruim, só porque ele acaba do jeito que realmente deve acabar. As vezes, não tem a mente aberta para entender filmes com final meio complexo e um pouco vago, que exigem que o espectador "pense" e tire suas proprías conclusões sobre o final. E como todo filme Francês que se prese, cada um tem a sua opinião e concepção de entendimento para o desfecho, mas eu acredito que o final do filme quis expressar que, mesmo ela fazendo ele de "gato e sapato", o maltrantando e pisando sempre na bola, ela o amava e ele também a amava, um amor meio estranho, tudo bem, mas sempre ela voltará atrás das mancadas que cometeu, se lamuriando e pedindo perdão, e ele vai continuar perdoando, por amor...É como o próprio Louis disse no filme: "Eu a amo incondicionalmente, mesmo que ela seja má"...

> CURIOSIDADES:

> O filme é dedicado a Jean Renoir, que dirigiu e encenou no filme "A Regra do Jogo" de 1939.
> O título original francês é escrito "La Sirène du Mississipi" (um P) em algumas fontes, e "La Sirène du Mississippi" (dois Ps) em outras fontes.
> O filme foi refilmado em 2001 por Michael Cristofer, com Angelina Jolie e Antonio Banderas.
> O roteiro foi baseado no romance Waltz into Darkness, do escritor norte-americano Cornell Woolrich, também autor de Janela Indiscreta (1954) de Alfred Hitchcock. 

> TUDO SOBRE O DVD (Versátil Home Video - 2009) :

> O filme tem um qualidade de som e imagem boa. A imagem não é totalmente limpa, ainda com riscos, como filme masterizado, mas não remasterizado.
> Não existe opção de dublagem, somente o áudio Francês em 2.0.
> A arte da capa é muito linda e bem feita, com uma imagem do filme também por dentro da capa.
> O timbre do nome de "Edição Especial" na capa não é para menos. O DVD é repleto de extras, como trailers de vários filmes de Truffaut e um especial sobre a "Vida e obra de François Truffaut".
> A edição da Versátil Home Video é uma parceria com a MGM DVD.

Por isto este filme merece:

 4 ESTRELAS


2 comentários:

  1. Olá, acabei de conhecer seu Blog, muito bom, já estou seguindo...

    Espero sua visita no meu...

    Abração

    ResponderExcluir
  2. Ah, a proposito, quando estiver em minha página, se puder pegue o selo do Liebster Blog e cole em seu mural, é uma união dos blogs com menos de 200 seguidores... inclusive após colar, passe adiante pra umas cinco pessoas ok....

    Aquele abraço

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...